Conheça a história de Sebastião Alves, o menino surdo que tornou-se professor

Sebastião Alves sempre levou uma vida simples na zona rural de Acrelândia. E tinha tudo para sentir-se um derrotado. Vítima de paralisia aos três anos, que lhe custou os movimentos das pernas, a perda total da audição e parcial da visão, ele encontrou forças na família para superar tanto sofrimento.
A fé na cura e o foco no tratamento das limitações permitiram-lhe sentir novamente os membros e a reabilitar a visão.

E a surdez, porém, com a qual ele aprendeu a conviver foi o combustível para que desse a volta por cima e evoluísse para o que é hoje: professor da Rede Pública Estadual.
Em 2006, Alves concluiu o ensino médio, e no ano seguinte, ao vir para Rio Branco, aprimorou o seu conhecimento sobre a Língua Brasileira de Sinais, a Libras.
“Eu sofri muito lá atrás porque as pessoas não acreditam. Elas pensam que a gente não é capaz. Todos nós somos capazes”, explica.
Antes, ainda no seio da família e sem conhecimento de Libras, a comunicação com os familiares era improvisada com movimentos.
Agora, instrutor, Sebastião Alves teria a tarefa de ensinar às crianças surdas a Libras. Ele ingressara na profissão de sua vida. Por cinco anos, trabalharia na sala de recursos da escola Pedro Castro Meireles, em Acrelândia, onde também concluiu o ensino fundamental, adaptando os conteúdos das disciplinas para os alunos surdos daquele município.
Em 2011, se mudou para Rio Branco, e em 2012, foi convidado a ministrar oficina de Libras para iniciantes. Mais tarde, em 2014, Alves tornou-se professor do curso intermediário de Libras. Em 2016, voltou a trabalhar na sala de recursos, adaptando as disciplinas aos surdos, desta vez na escola Maria Angélica.
Hoje é professor do curso de metodologia para deficientes auditivos no Centro de Apoio ao Surdo, e também aluno do curso de Letras/Libras, da Universidade Federal do Acre.

A origem humilde

Com os pais, Sebastião Alves aprendeu o corte da seringa, a pesca e a coleta de castanha do Brasil, o trabalho que a família desenvolvia na época.
Na localidade onde moravam, não havia escola e somente aos 12 anos, Sebastião teve a oportunidade de se alfabetizar em uma escola distante.
“Era escola de palha onde eu estudava, uma escola infantil, não tinha libras. Eu era o único surdo da classe e o professor sempre explicava oralizando e eu surdo não gostava naquela situação, porque eu não entendia e eu preferia voltar”, relembra.
Pela dificuldade de se comunicar, ele preferia a segurança do lar e do trabalho na roça. Por isso, chegou algumas vezas a desistir das aulas.
Em 2000, aos 17 anos, houve outra reviravolta que abriria os horizontes. Conheceu uma garota surda, a Joseane, que mostrou que era possível se comunicar e aprender. Joseane ensinou a Sebastião as primeiras lições de Libras.
A Educação mudando rumos

Hoje em dia ele é professor do curso de metodologia para surdos no Centro de Apoio ao Surdo e também aluno do curso de Letras Libras da Universidade Federal do Acre. “Eu sofri muito, lá atrás, porque as pessoas não acreditam. Elas pensam que a gente não é capaz. Todos nós somos capazes”.
Diante de tantas as dificuldades para conseguir aprender, hoje o professor Sebastião se dedica a ensinar. A inspiração foram seus mestres. “Quando eu encontrei profissionais e professores eu queria ser igual a eles. Queria crescer da mesma forma. Queria ensinar o surdo para que ele pudesse crescer e aprender, por isso que eu tive esse desejo de ser professor. É uma profissão valorosa. A gente ensina as pessoas a ter um futuro”.

Aos seus alunos, o professor deixa um conselho: “É muito importante que o surdo conheça a lei. Que ele estude e desenvolva e aprenda. Por isso, estude, faça concurso, não fique parado, não se acomode. Aproveite as oportunidades. Você pode ter um futuro e ser reconhecido”.
Aos professores, Sebastião agradece. “É uma luta muito grande desse profissional. Parabéns para todos os professores que merecem esse dia. Professor não é preguiçoso. Luta diariamente. Não é fácil ser professor, você tem que planejar, organizar, trabalhar com estratégias. Você tem que fazer o seu aluno desenvolver. É muita responsabilidade, mas muito gratificante. Eu quero agradecer por esse dia esse dia tão especial no mês de outubro”, conclui.

Já conhece a Audithus? Venha nos visitar!
contato@audithus.com.br
São Caetano: 11 2376-7703
Santo André: 11 2325-3357
São Bernardo: 11 3907-6463
Mauá: 11 4544-2371

0 comments on “Conheça a história de Sebastião Alves, o menino surdo que tornou-se professor

Comments are closed.