Zumbido

A Medicina diferencia o zumbido em vários tipos:

Zumbido Objetivo
Também pode ser escutado pelo médico
Ocorre raramente, ou seja, devido à tensão ou deformidades vasculares
Geralmente desaparece com o tratamento da causa.

Zumbido Subjetivo
Tipo mais comum de zumbido. Só é escutado pelo paciente afetado
O zumbido também pode ser classificado por tipo:

Zumbido agudo
Aparece subitamente
Dura até 3 meses (agudo) ou acaba dentro de 12 meses (sub-agudo)

Zumbido Crônico
Zumbido com duração superior a 12 meses.

Zumbido Compensado
O paciente é capaz de lidar bem com o zumbido.
A qualidade de vida não é comprometida.

Zumbido Crônico ou Descompensado
A qualidade de vida está comprometida de tal forma que torna-se patológica.

Causas do zumbido

Em um quadro normal, as vias auditivas captam a vibração dos sons gerados no ambiente e os enviam na forma de impulsos elétricos para o cérebro. O distúrbio se instala quando as vias auditivas passam a enviar impulsos mesmo sem haver uma fonte gerando o som. O grande obstáculo para o tratamento do zumbido é descobrir o que leva a essa emissão indiscriminada de impulsos, já que o zumbido em si não é uma doença, e sim, um sintoma.

Excesso de cera, infecções e lesões do ouvido são causas possíveis do problema. No entanto, muitos outros fatores que aparentemente não têm nada a ver com o sistema auditivo podem dar origem a esse sintoma. Desvios de coluna, alterações cardiovasculares, diabetes, disfunções da articulação da mandíbula e consumo excessivo de cafeína, álcool e tabaco são alguns deles.

A impressão de que o zumbido atinge mais os idosos é falsa, mas tem uma explicação: cerca de 90% dos casos têm como causa principal a perda auditiva. Como esse problema atinge mais a terceira idade, há mais ocorrências de zumbido nessa faixa etária. O som incômodo, entretanto, pode aparecer em qualquer idade, em pessoas com audição normal ou não. Há, porém, relação com o gênero: ainda sem explicação, o problema acomete mais o sexo feminino.

Zumbido e perda auditiva

Pesquisas revelam que mais de 50% das pessoas afetadas pelo zumbido também têm uma perda auditiva de orelha interna associada.
Nesses casos, o tratamento com aparelhos auditivos é geralmente o primeiro passo para o alívio do incômodo gerado pelo zumbido.
Ele compensa a perda auditiva, garantindo a concentração nos sons externos. Se o zumbido é amenizado somente com o uso do aparelho auditivo, a solução é um aparelho auditivo combinado: amplificação e gerador de som.

Uma grande vantagem deste tipo de aparelho é que ele pode ser usado como um aparelho auditivo convencional, apenas com amplificação, assim que o zumbido desaparecer.